Cidadania Global é o tema adotado pelo IDB em 2016

Como alunos e antigos alunos, pais e antigos pais, professores e antigos professores, funcionários, colaboradores, coordenadores e diretores podem, efetivamente, de forma anônima ou pública, individual ou coletivamente, contribuir para a construção de uma Teresina, de um Piauí, de um Brasil e de um mundo mais bonito e melhor? Foi no intuito de responder a esses questionamentos que surgiu a ideia de termos como tema este ano, no IDB, o “Ano da Cidadania Global”, pois acreditamos que podemos fazer a diferença na contribuição de um mundo igualitário e sustentável. E, para aproximar ainda mais nossos alunos e profissionais do tema, nossa Agenda 2016 apresenta esta temática do seu início ao fim.

Nesse contexto, o Planeta Terra, apresentado na nossa agenda, tem atenção especial. A partir da educação das crianças podemos ajudá-las a se tornar a geração que mudou o mundo. O mundo acompanha e se move para cumprir as 17 Metas Globais da ONU (Organização das Nações Unidas) acordadas em 2015, para serem cumpridas até 2030. Três objetivos são alvo do planeta para os próximos 15 anos, sendo eles: erradicar a pobreza extrema, combater a desigualdade e a injustiça; e conter as mudanças climáticas.

Também destacamos na nossa Agenda 2016 os projetos desenvolvidos no IDB que contemplam o tema deste ano. O projeto Gentileza é um deles, que tem como objetivo promover educação para fora dos muros da Escola, por meio desse sentimento tão nobre e necessário. Outro em destaque é “O que eu quero no meu mundo”, onde destacamos os sentimentos intrínsecos para a vida de qualquer pessoa: generosidade, honestidade, justiça, respeito, gentileza e humildade. Em contrapartida, também mostramos o porquê dos sentimentos como a crueldade, preconceito e egoísmo não poderem estar no nosso mundo.

Ano das Leguminosas – ONU

E por sermos uma Escola Global, o nosso tema “Cidadania Global”, se enquadra, também, no ano da ONU, que definiu 2016 como o Ano Internacional das Leguminosas, para ressaltar a importância, nutrição e sustentabilidade no mundo. As leguminosas mais populares são os diversos tipos de feijão: preto, mulatinho, manteiga e carioca; grão-de-bico, ervilha, soja, lentilha e fava, entre outros. São muito variadas geneticamente com potencial para adaptar-se à mudança climática, permitindo aos agricultores selecionar novas variedades e ajustar sua produção à variação do clima. Segundo a FAO, o uso na rotação de cultivos também reduz a erosão e ajuda a combater pragas e doenças.

Cerca de 62 milhões de toneladas de leguminosas são produzidas no mundo, das quais 11 milhões são comercializadas em nível internacional, segundo dados das Nações Unidas, isso faz com que os preços destes alimentos alcancem o dobro ou até o triplo dos preços dos cereais, gerando novas oportunidades econômicas. Trata-se de cultivos que fazem parte da dieta básica em várias regiões do mundo e são ingredientes de muitos pratos tradicionais.

O ano da ONU irá criar uma oportunidade para incentivar conexões de toda a cadeia alimentar de forma a melhor utilizar estas proteínas de origem vegetal, aumentar a sua produção a nível mundial, utilizar melhor as rotações de culturas e enfrentar os desafios do comércio de leguminosas. O seu consumo ajuda a tratar a obesidade, bem como a prevenir e controlar doenças crônicas tais como a diabetes, problemas cardiovasculares e cancro.

Não deixe de conhecer o conteúdo da nossa agenda escolar, lá também tem informações sobre as Olimpíadas, que esse ano acontece no Brasil; dicas importantes de estudo; de convivência com a família, como a pesquisa de Harvard “5 dicas para criar crianças éticas e bondosas”; desenhos para colorir; homenagem especial ao Dia do Carinho, entre outras surpresas preparadas especialmente para nossos Brilhantes!

E não esqueça: #2016anoIDBdaCIDADANIAGLOBAL

Paz e Bem!