IDB lança campanha “Zero Refri”. Uma busca por qualidade de vida

WhatsApp Image 2016-08-03 at 18.14.02O Instituto Dom Barreto continua investindo em alimentação saudável e de qualidade, preocupado em tomar medidas efetivas para a promoção da Cidadania Global. Foi baseado neste pensamento que escolhemos as Metas Globais como tema para ser trabalhado durante todo este ano de 2016. E uma das dezessete metas defende uma questão que destacamos, mais uma vez, para nossa comunidade dombarretana: a “Saúde de Qualidade”.

A alimentação saudável pode prevenir muitas doenças, tais como: anemia, desnutrição, obesidade, além de diminuir os riscos de infecções e auxiliar no bom desenvolvimento físico e mental dos indivíduos. Buscando manter o equilíbrio para uma boa alimentação, a Comissão de Seguridade Social e Família aprovou o projeto de lei que proíbe a venda de refrigerantes em escolas de todo o Brasil. A ideia é que a venda seja proibida em escolas públicas e particulares de todo o Ensino Fundamental, que vai do 1º ao 9º Ano. Portanto, a partir deste mês o IDB adota para toda a escola a Campanha Zero Refri. Não será mais vendida dentro do ambiente escolar a bebida que é fabricada industrialmente, à base de água mineral e açúcar e causa seríssimos danos à nossa saúde.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, mais de 14% das crianças brasileiras entre 5 e 9 anos são obesas. O problema acontece em todas as regiões do país e em todas as classes sociais. Segundo Zenaide Maia, relatora do projeto: “Estamos vivendo uma epidemia de excesso de peso. A sociedade precisa buscar alternativas para combater esse problema”.

Evitar consumir refrigerante e ter uma rotina alimentar saudável, desde a infância, proporcionarão níveis ideais de saúde e favorecerão o perfeito desenvolvimento físico e intelectual, reduzindo os transtornos causados pelas deficiências nutricionais comuns a este estágio de desenvolvimento e evitando a manifestação da obesidade e outros distúrbios alimentares.

A bebida não contém nenhum valor nutricional e está repleta de cafeína, corantes e conservantes, além de altas taxas de açúcar. As versões light, apesar de estarem livres da substância, contêm adoçantes artificiais, cujo consumo também não traz benefícios ao corpo. Os refrigerantes produzem uma verdadeira revolução no organismo e, em apenas uma hora, conseguem alterar a pressão, levar embora nutrientes essenciais para o organismo e ainda ajudam o corpo a acumular gordura.

A escola desempenha papel fundamental na formação de hábitos de vida das crianças. A alimentação escolar deve suprir parcialmente as necessidades nutricionais dos alunos, melhorar a capacidade no processo ensino-aprendizagem e formar bons hábitos alimentares.

Segundo o nutricionista do IDB, Leonardo Leal, as crianças hoje estão tendo um quadro de predisposição para diabetes e obesidade muito cedo e, com isso, existem outros problemas que vêm junto, como colesterol alto, pressão alta, tudo em decorrência do consumo elevado de alimentos com altos índices de açúcar, sódio e gorduras saturadas. “Estamos fazendo essa campanha para reduzir todos esses vilões. Para suprirmos a retirada desses produtos, estamos criando uma linha de sucos do próprio Colégio e também com mais água de coco, bebidas regionais como a cajuína, suco de uva integral, além dos sucos de frutas, com tangerina, laranja, maracujá, caju e combinações de sucos para que as crianças tenham alternativas saudáveis. O importante é que parte são bebidas frescas e produzidas aqui mesmo no colégio, que não tem conservantes, corantes, que não tem aditivos. Quanto mais natural, melhor, pois tem os nutrientes completos”, justificou Leonardo.

Para a vice-diretora e coordenadora do Ensino Médio do IDB, Marcela Rangel, a campanha está coerente com as ideias defendidas pela Escola na busca da alimentação saudável para os alunos e explica que, além das cantinas da Escola deixar de vender refrigerante, o restaurante “Simples Alimentação” também passa a aderir à campanha e não venderá mais a bebida. “A campanha está sendo bem executada no IDB e não podemos ser incoerentes, pregando uma coisa para uns e para outros não. Se faz mal, faz mal a todo mundo! Zero Refri, inclusive no Simples! Em todo lugar da Escola.  Nosso sim à campanha! A adesão será completa, independente da faixa etária! Não existe meio termo, faz mal à saúde, e estamos lutando por mais saúde, mais qualidade de vida”, comenta Marcela Rangel.

A médica Natércia Damasceno, proprietária do “Simples Alimentação” e esposa do professor Marcílio Rangel, destaca os benefícios em adotarmos a campanha. “Professor Marcílio está vibrando com nosso caminhar. Um jeito saudável de se alimentar, qualidade de vida, saúde integral! Ele se antecipava ao tempo, e a exemplo dele, nós nos antecipamos em seis meses ao nosso projeto de alimentação natural e saudável e abolimos refrigerante em tempo recorde, para ontem, e não no futuro! Geração saudável, alimentos naturais, água, sucos de frutas naturais, prazer na mesa, qualidade de vida, saúde 1000! Próximo passo será a água mineral, com PH acima de 8! (Alcalino, básico). PH ácido dá câncer!”.

Dez malefícios do refrigerante

Os refrigerantes, de fato, escondem muito mais coisas que são prejudiciais à saúde, além do possível rato. Veja a seguir quais os malefícios os refrigerantes podem trazer à saúde:

  1. Osteoporose – Os refrigerantes de cola possuem ácido fosfórico, um composto químico que aumenta a acidez do sangue. Para neutralizar esse aumento, o organismo utiliza o cálcio dos ossos, propiciando a osteoporose. Um estudo feito com mulheres que bebia apenas 3 refrigerantes de cola por semana revelou que elas perderam, em média, 4% de massa óssea de regiões do quadril.
  2. Diabetes – Os refrigerantes possuem quantidades elevadas de açúcar, que aumentam o nível de glicose no sangue e a resistência à insulina. Esses fatores combinados elevam o risco de desenvolvimento de diabetes do tipo 2. Além disso, o consumo excessivo de açúcar leva a outros problemas como obesidade e aumento de triglicérides no sangue.
  3. Doença cardiovascular –A combinação de obesidade, aumento de glicose e gordura no sangue eleva o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como aterosclerose, acidente vascular cerebral e infarto do miocárdio. Um estudo realizado em Harvard revelou que o consumo diário de refrigerantes aumenta em 20% o risco de infarto durante um período de 22 anos.
  4. Cárie –Os níveis elevados de açúcar e de ácido nos refrigerantes prejudica a saúde dos dentes e corrói o esmalte. Além disso, há risco de desenvolvimento de doenças da gengiva, como a gengivite.
  5. Gastrite – O ácido presente nos refrigerantes, usado para dar gás à bebida, ataca as células gástricas, causando azia e gastrite. O uso constante acidifica o conteúdo gástrico provocando a incômoda doença. Se não tratada adequadamente, a gastrite pode evoluir para úlceras estomacais.
  6. Insônia –O alto teor de açúcar dos refrigerantes interfere com o ciclo circadiano e provoca insônia. Além disso, muitos refrigerantes têm elevados teores de cafeína.
  7. Pressão alta – Refrigerantes de cola e guaraná possuem cafeína que, quando consumidas em excesso e constantemente, provocam aumento da pressão. A pressão alta é um fator de risco para o infarto e desenvolvimento de outras doenças cardíacas.
  8. Câncer –Os refrigerantes possuem diversas substâncias usadas para dar cor à bebida. Esses aditivos químicos são tóxicos para as células do organismo, causando agressões e propiciando o surgimento de câncer. Um recente estudo escocês associou o consumo de refrigerantes ao surgimento de câncer intestinal e colorretal. No Brasil, refrigerantes de cola possuem 67 vezes mais corante caramelo IV (um composto causador de câncer) que os vendidos nos Estados Unidos. Um estudo sueco publicado na revista científica American Journal o fClinicalNutrition apontou que uma lata de refrigerante por dia (cerca de 325mL), aumenta o risco de homens desenvolveram câncer de próstata em 40%.
  9. Envelhecimento precoce –O fosfato presente no refrigerante, além de causar osteoporose, prejudica funções renais e musculares. Um estudo recente também concluiu que o consumo em excesso dessa substância causa envelhecimento precoce das células.
  10. Infertilidade –Os refrigerantes são acondicionados em latas de alumínio, que por sua vez são revestidas com uma resina chamada bisfenol (BPA). O bisfenol tem sido associado a problemas hormonais que levam à infertilidade, desenvolvimento de câncer e obesidade. Os refrigerantes light e diet não estão fora da vasta lista de malefícios. Eles possuem ácido fosfórico, corantes e outros componentes químicos que causam descalcificação, elevação da acidez do sangue e do estômago, aumento da pressão alta e etc. O melhor a se fazer é evitar o consumo de refrigerantes e substituí-los por água ou suco de frutas.

Vamos nos conscientizar e praticar o hábito se nos alimentarmos de forma mais saudável, alimentação é saúde. Saúde é vida!

Paz e Bem!