IDB lança projeto de Autorregulação da Aprendizagem e Neuroeducação para alunos

Neste ano de 2017, o Instituto Dom Barreto traz para seus alunos um novo projeto que busca o desenvolvimento de novos hábitos e competências para os estudos, é o chamado Projeto de Autorregulação da Aprendizagem e Neuroeducação. Inicialmente, o projeto será desenvolvido para os alunos do 4º, do 5º e do 6º Ano do Ensino Fundamental.

A aprendizagem autorregulada vem ganhando destaque na Psicologia Educacional nos dias de hoje, uma vez que engloba vários aspectos imprescindíveis à aprendizagem no contexto educativo. A psicóloga e mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Emanuele Araujo, está à frente desta iniciativa e explicou como e por que será desenvolvida a proposta.

“Estamos realizando atividades de desenvolvimento de hábitos e competências para estudar. Fazemos isso através de um plano, que é o plano da autorregulação de aprendizagem, onde ensinamos para os alunos estratégias para que eles possam se autorregular, se comprometer melhor em relação a sua aprendizagem e, consequentemente, obter o tão sonhado sucesso escolar. A teoria da autorregulação defende que a maioria dos alunos não alcança seus objetivos por não conhecerem um conjunto de estratégias que podem auxiliá-los no processo de comprometimento com o estudo e por assim ser, não sabem estudar”, disse a psicóloga.

Estudar de qualquer forma e, não levar a sério as atividades que devem ser realizadas em casa são alguns pontos que podem comprometer os resultados finais do aluno. Então, esse projeto vem para tentar sanar essas dificuldades. A psicóloga Emanuele ressalta que o trabalho, além da Autorregulação, possui a parte de Neuroeducação, porque “no projeto estimulamos também a parte neuropsicológica da educação, voltadas para aprendizagem”.

Gestão do tempo, mapas conceituais, planejamento e leitura em voz alta são algumas das estratégias trabalhadas e repassadas aos alunos durante os encontros do projeto. Os encontros dos alunos com a psicóloga acontecem no contra turno das aulas.  São grupos pequenos de estudantes que tiveram um desempenho escolar não tão bom no ano passado ou alguma dificuldade específica. É uma oferta da escola, recomendada para a família, através dos professores. “A idéia é diminuir as dificuldades do aluno e aumentar os caminhos para que ele possa obter mais sucesso”, comentou Emanuele.

Segunda-feira é dia de atendimento pela manhã aos alunos do 6º Ano do Ensino Fundamental do turno da tarde. Na terça-feira o atendimento é realizado pela tarde aos alunos do 6º Ano da manhã. Na quarta pela manhã são os alunos do 4º Ano da tarde que participam e, na tarde de quinta, os encontros são para os alunos do 4º Ano da manhã. Já no sábado, é a vez dos alunos do 5º Ano participar também.

Para Emanuele Araujo, não se deve atarefar tanto a criança, porque ela tem o tempo dela, ela tem que ser criança e brincar. O que costuma acontecer, segundo a própria psicóloga, é que os estudantes chegam no 7º, 8º, 9º Ano do Ensino Fundamental, chegam ao Ensino Médio, entram na faculdade e não aprendem a estudar. Desta forma, começar a trabalhar a Autorregulação da Aprendizagem e Neuroeducação ainda enquanto criança é uma prevenção.

“Você estimulando a criança desde muito cedo, ela passa a pensar diferente. Ela vai gostar de estudar e aprender a ter tempo para cada coisa. Nesse caso, não precisa os pais contratar professores particulares. Se ela é autocomprometida, ela vai saber o melhor caminho para si. Logicamente, vão existir algumas dificuldades no meio do caminho, como dificuldades mais pontuais em determinada disciplina”, finalizou.