Dombarretanos são premiados na InterBrasil Piauí 2019. Participação motivou os alunos a descobrir soluções para mudar o mundo

Os alunos do Instituto Dom Barreto do 9º Ano do Ensino Fundamental e da 1ª, 2ª e 3ª Séries do Ensino Médio participaram da InterBrasil Piauí 2019 – Simulação das Organizações das Nações Unidas (ONU), um evento direcionado para os estudantes do Ensino Médio que tem como objetivo desenvolver competências como oratória, negociação, etiqueta, além de outros aspectos não contemplados tradicionalmente na sala de aula. A atividade foi realizada nos dias 4 e 5 de maio, na FACID | Wyden e os estudantes trouxeram ao IDB um brilhante resultado. Das oito premiações, a Escola conquistou sete, sendo cinco menções honrosas e o prêmio dos dois melhores delegados.

Os participantes premiados nesta competição com menção honrosa foram os alunos Athos Darcy Araújo, Augusto César e Gustavo Galdino, da 1ª Série, José Martins Lopes, da 2ª Série, e Norma Helena Castro, da 3ª Série do Ensino Médio. A aluna Lívia Maria Fontenele Meneses, da 2ª Série e o aluno Luís Marcelo Leite, da 3ª Série, foram ganhadores do prêmio de melhores delegados desta edição.

Durante a InterBrasil Piauí, os estudantes assumiram o papel de diplomatas dos países que representam e discutiram temas políticos, sociais e econômicos, entre outros. Além das simulações, os estudantes também organizaram a Feira das Nações, uma noite para apresentar aos colegas e familiares a cultura das nações que representam .

Este ano, a Simulação trouxe como pauta dois temas centrais, discutidos em dois comitês. O Comitê Histórico, que teve como tema a Conferência de Paris (Tratado de Versalhes); e o Comitê do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com o tema A Guerra da Síria. As sessões de simulação obedecem aos ritos das reuniões da ONU, a partir da elaboração de documento de posição oficial (DPO) e a opinião de cada representação ou país sobre o tema em discussão no âmbito dos comitês. Os debates foram ricos e chegaram a surpreender os organizadores do evento em relação à capacidade de argumentação e à proatividade dos jovens estudantes.

Esta é a primeira etapa da Simulação, a qual levará os melhores delegados de cada Estado para a última fase, a ser realiza em Brasília, durante o mês de dezembro – é o Módulo Internacional do Brasil (MIB) Final. Os estudantes que se destacarem na MIB, viajarão para a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, para a etapa final mundial da Competição.

Para a InterBrasil Piauí, os dombarretanos imergiram nos temas com o auxílio da Equipe de professores das disciplinas de História, Geografia, Filosofia e Sociologia.  Os alunos estudaram de forma criteriosa para defender os interesses de cada país de acordo com o Documento de Posição Oficial. Este documento tem como objetivo explicar o posicionamento do país frente ao tema do comitê do qual o aluno está participando.

Participar de um evento com o nível acadêmico da InterBrasil Piauí, segundo a aluna Norma Helena, mudou a sua visão em relação ao mundo. “Mudou sem dúvidas, porque ajuda a desenvolver de certa forma um pensamento crítico, instiga a pesquisar mais sobre o assunto global e a ter essa preocupação.”

Um dos ganhadores do prêmio de melhor delegado da Simulação, Luiz Marcelo Leite, explicou que aprendeu muito mais ao estudar sobre a Conferência de Paris, o que foi de extrema relevância. “Nós temos que encarnar e interiorizar posições e princípios que não fazem parte do nosso dia a dia. E o que eu acho mais interessante nisso tudo é que temos a possibilidade de mudar totalmente o rumo da história ou de apenas corrigir o que a gente acha que deu errado.  A Conferência de Paris planta uma semente de esperança no mundo de se criar um princípio diplomático entre todos os países com isonomia”, contou.  

A aluna ganhadora  do título de melhor delegada, Lívia Maria Fontenele Meneses, contou como foi sua participação na etapa deste ano. “Sou suspeita para falar porque eu amo comitê histórico. Eu comecei a simular como seria o comitê histórico e vi que todos que simularam a Conferência de Paris perceberam que podem mudar a história e você pode fazer com que os atos subsequentes da história sejam mudados e sejam feitos de uma forma totalmente diferente. Eu realmente me apaixonei pela diplomacia, me apaixonei pela forma de debater, me apaixonei pela forma de mudar. Eu comecei a ter amor por simulação porque simulação fala sobre protagonismo e fala essencialmente sobre mudar e ter o poder disso nas mãos.” Para a estudante, ao participar da Simulação, o aluno percebe o quão difícil é estar inserido nos conflitos atuais. “Nós conseguimos ver soluções viáveis”, declarou.  

Para o aluno Augusto Cesar, a participação na Simulação foi uma maneira de exercitar uma forma de mudar o mundo. “Interpretei como um desafio porque assumir a posição de um dos líderes e representar um país e cada decisão que se deve tomar, vai transformando o rumo tanto da história como o rumo de um país. Então, todo momento você tem que estar atento, prestar atenção se o acordo que você está negociando com a pessoa é benéfico ou não.  É transformador! Você passa a ver o mundo de outra forma e não mais daquele jeito que as pessoas antes lhe passavam”.

O aluno José Lopes também comentou sua participação na Simulação e definiu o evento como um movimento para tirá-los da área de conforto. “A história constrói o presente de um jeito tão forte que milhões de pessoas morrem diariamente, tanto na Síria como em outros países, porque a guerra da Síria não é só da Síria, outros países também sofrem com essa guerra”.

Já o jovem dombarretano Athos Darcy, que participou representando a Alemanha na Conferência de Paris, garantiu que foi um desafio participar de algo tão importante e diferencial para seu currículo.  “Não há lados certos nem errados. Há lados que vencem no contexto geopolítico”, explicou o aluno sobre seu ponto de defesa e do cargo que assumiu diante da Simulação.

Ao ver de perto os depoimentos dos alunos, a coordenadora da disciplina de História, Socorro Rangel, se emocionou e parabenizou os brilhantes. “É incrível vê-los assim. Me dá muita esperança! Vocês estão mudando a história da Escola. Historicamente, as pessoas têm preferências por áreas da Saúde ou das Exatas. E com esse movimento que estão fazendo – que foi iniciativa de vocês e que nós estamos acompanhando – estão abrindo um espaço tão qualificado para a área de Humanas. Eu fico muito esperançosa porque sei que vocês vão mudar o mundo para melhor! Muito obrigada!”, concluiu a professora.

Aproveitamos o momento para informar que, neste ano, o IDB realizará com os alunos do 8º Ano do Ensino Fundamental à 2ª Série do Ensino Médio sua própria simulação, para estimular e despertar nos alunos o conhecimento e a escolha de onde vão atuar como diplomatas, chefes de estado de governo. A previsão é que a simulação seja realizada no mês de outubro.

Parabéns, jovens brilhantes, pela iniciativa, pelo olhar sensível e pelas conquistas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *