Alunos da 1ª e 2ª Séries do Ensino Médio participam de Simulação do STF

 

Os alunos do Ensino Médio do Instituto Dom Barreto, durante os dias 24 e 25 de agosto, participaram da 3ª Simulação do Supremo Tribunal Federal (STF) de todo o Brasil, sob o tema da Ação Direta de Constitucionalidade (ADC) nº 44: estudo sobre a prisão em segunda instância. Nossos brilhantes amanhãs apresentaram ótimos resultados: das 4 premiações, conquistaram um total de 3, dentre elas duas Menções Honrosas e a Melhor Delegada.

Os alunos premiados nessa edição com menções honrosas foram: Athos Darcy (1º B), que atuou como ministro do STF, Luís Marcelo (3º C), que participou da simulação com o Ministro-Presidente da nossa Suprema Corte. A aluna Lívia Fontenele (2º C), que representou o Conselho Federal da OAB (CFOAB), foi premiada como Melhor Delegada da Simulação do STF.

Junto com estudantes secundaristas de outras instituições de ensino e acadêmicos de Direito, os dombarretanos assumiram a posição de ministros do STF (Athos Darcy, 1º B; Edson Bona, 2º D e Luís Marcelo, 3º C). Como Amicus Curie (Lorena Lopes,1º F) e Procurador Geral da República (PGR), o aluno José Lopes (2ºC). A Agência de Comunicação (AC), responsável pela divulgação do evento, ficou sob a responsabilidade do aluno Augusto César (1º C).

O evento, realizado na Facid Wyden,  possibilitou que os alunos aplicassem, na prática, suas competências e habilidades em oratória, etiqueta, formulação de documentos oficiais e capacidade de persuasão e argumentação.

A simulação obedece às normas procedimentais do STF, contando com regras ministeriais e elaboração de documentos, como as petições necessárias para a movimentação do processo na Corte Suprema e também dos votos ministeriais que definiriam os resultados da ADC.

Os debates calorosos e a experiência nunca antes tida encantou os alunos e os organizadores; estes últimos, por sua vez, ficaram temerosos de que a simulação adquirisse uma certa monotonia, dada a dificuldade do tema e o modelo de simulação nunca antes experimentado em Teresina. Entretanto, ficaram surpresos com a desenvoltura dos alunos, que conseguiram, de forma magnífica, dominar o tema e o linguajar jurídico, resultando em uma ótima experiência acadêmica e pessoal para nossos brilhantes amanhãs.

A Simulação do STF, que tem como público-alvo alunos da 1ª à 3ª Série do Ensino Médio e universitários, busca instigar o aluno a realizar pesquisas sobre assuntos não abordados em sala de aula para, através de sua oratória, defenderem seu posicionamento. A atividade também ajuda em aspectos como trabalhar com a ansiedade e lutar contra a timidez; serve de apoio também para uma maior aquisição de bagagem cultural tão cobrada nos vestibulares, além, claro, de uma formação cidadã e política embasada nos assuntos relevantes da atual conjuntura do país, como a discussão sobre a prisão em 2ª instância. 

Durante a fase de preparação para o evento, os alunos contaram com a orientação de professores da Escola e de uma palestra, proferida pela acadêmica de direito da UFPI Sophia Barreto, sobre o papel do STF como guardião da Constituição Federal de 1988 e a estrutura de funcionamento da mais alta instância do poder judiciário brasileiro, destacando a função daqueles que o compõem durante a votação de uma ADC.

Para o aluno Athos Darcy (1º B), detentor de uma das menções honrosas da Simulação por sua atuação como ministro do STF, “o treinamento fornecido pela Escola foi crucial para o entendimento acerca do funcionamento da simulação, possibilitando aos participantes um entendimento do quanto o mundo judiciário é encantador e excepcional.

 

Questionado sobre a importância da atividade para a sua formação, Edson Bona (2º D), que participou do evento como ministro, fala de forma entusiasmada sobre o quanto a experiência foi gratificante para sua formação, afirmando que “por estar acostumado com o modelo ONU da prática, poder simular o STF foi, sem dúvida, instigante. Para um amante de história e acompanhante da política brasileira, estar na pele de uma das figuras mais importantes do judiciário brasileiro é formidável.”

A integrante do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB), Lívia Fontenele, ganhou o título de melhor delegado da edição 2019 da Simulação do STF. Em seu discurso de agradecimento, fez questão de mostrar o quanto estava grata por ter conhecido e poder fazer parte do mundo das simulações e reiterou a possibilidade de conhecimento, não só externo, mas também interno que as simulações podem trazer, ao dizer que “um tempo atrás eu queria fazer arquitetura, hoje eu já não me vejo mais fazendo outra coisa senão algo envolvendo direito”, comenta.

Para terminar, uma frase que marca todos aqueles que fazem parte do mundo das Simulações e que cada um carrega no peito: “Simular é verdadeiramente brincar de mudar o mundo.”

São os nossos brilhantes amanhãs, mostrando que um mundo melhor é possível.

 

Matéria escrita por Augusto Alencar, 1º Ano do Ensino Médio

Agência de Comunicações da Simulação do STF