30 DE JANEIRO É O DIA DA SAUDADE

Amo_-pbDDWMDaIvvYe8X6QLRKjDEBm2FH1v8TKoNvxeSNo dia 30 de janeiro é comemorado no Brasil o Dia da Saudade. A palavra única na língua portuguesa representa um sentimento que todos já experimentaram: a ausência de algo ou alguém querido. O sentimento e a palavra inspiram artistas, poetas e músicas com obras de grande identificação, afinal, saudade, assim como o amor, é um sentimento universal.

A história nos conta que ela foi inventada pelos portugueses que sentiam falta de sua terra natal, sua casa e seus familiares na época da colonização do Brasil e descreviam o sentimento de melancolia e tristeza como “saudade”.

Mesmo sendo única na língua portuguesa, o sentimento foi traduzido em outras palavras de línguas distintas. Na língua inglesa a palavra saudade é colocada como sentir a falta (I miss you), no espanhol é a falta que provoca recordação (recuerdo), no francês é lembrança (souvenir) e no italiano uma recordação de afeto (rocordo affetuoso).

Aqui no Dom Barreto, a palavra saudades faz nosso coração viajar nas lembranças do saudoso Marcílio Flávio Rangel. Mas, de modo algum relembraremos com tristeza, pois os ensinamentos dele continuam muito vivos nas pessoas, projetos e ideais do IDB.

Nossa diretora do IDB, professora Stela Rangel, comentou sobre esse sentimento que desperta tantas emoções no homem. “Dizem que a saudade dói. Pra mim, saudade não dói. Eu resignifiquei saudade como algo que traz de volta uma coisa que eu gosto e coisas que não gosto, mas que foram importantes para minha vida. Então eu tenho saudade de pessoas e de situações que eu consegui aprender de alguma forma. Às vezes até nessa saudade eu vou nas dificuldades e digo: ‘Se consegui aqui, eu vou trazer de volta para minha vida e vou reconsiderar’”.

Professora Stela ressaltou também sua saudade pelo nosso eterno professor Marcílio Rangel. “Marcílio era um pouco de tudo para todos nós e para muitas pessoas que não são da família. Ele conseguiu fazer muitos amigos, conseguiu conquistar a confiança de muitas pessoas. Quando ele partiu, fiquei muito dolorida, posso dizer sem chão. Nós não queremos que alguém que amamos faleça. Mas acontece e temos que aprender sempre. Eu acredito que a gente aprende mais com a dor do que com a alegria. Então comecei a resignificar a saudade do meu irmão. Eu trouxe uma foto dele e coloque aqui ao lado na minha sala. Eu ficava sempre fazendo uma relação do que eu tinha visto ele fazer como educador. Foi sempre uma convivência muito produtiva. Ele era sempre muito dedicado para a família e para aos outros. Eu sei que ele não está fisicamente aqui, mas eu tenho Marcílio aqui todos os dias. Pra mim ele é aquela pessoa que passou e deixou muita coisa, e esse deixar faz ficar. Ele não é ausência para mim”, afirmou.

Para aqueles que sentem saudades do professor, convidamos a visitar o Memorial do Professor Marcílio localizado no térreo do prédio Vaticano, onde é possível visitar a sala do professor, ver fotos emblemáticas e alguns objetos pessoais.

Nesse dia da saudade, abrace as pessoas que você ama que estão por perto e aproveite para telefonar ou mandar uma mensagem de Paz e Bem a todos que estão longe!

Desejamos Paz e Bem a toda família dombarretana.