“É só um minutinho”. ‘Campanha IDB de Acessibilidade. Paz e Bem no Trânsito’ aposta no respeito e mudança de atitudes

gabiNão basta ser do bem, tem que ter atitude. Não basta conhecer a lei, tem que cumprir. A “Campanha IDB de Acessibilidade. Paz e Bem no Trânsito” aposta numa ampla frente de  informação e sensibilização sobre o respeito à acessibilidade.

Conheça os números

No Brasil, o último censo do IBGE, aponta que 45,6 milhões de pessoas declararam ter algum tipo de deficiência, o que corresponde a  23,9% da população brasileira. A deficiência visual foi a mais apontada, atinge 18,8% da população. Em seguida, vêm as deficiências motora (7%), auditiva (5,1%) e mental ou intelectual (1,4%).  No Brasil, entre todos os setores, a educação é a que chama atenção de forma mais relevante na falta e/ou o desrespeito a acessibilidade, impedindo ou dificultando que milhares de pessoas tenham acesso à escolas ou universidades. A região Nordeste tem a menor taxa de alfabetização entre os que possuem algum tipo de deficiência – 69,7%.  Os dados também mostram que há uma diferença significativa no nível de escolaridade entre pessoas com deficiência e a população em geral. Mudar essa realidade é um papel que cabe a todos nós.

No Piauí, os dados são ainda mais preocupantes. O Piauí é o terceiro estado brasileiro com maior população de pessoas com deficiência, proporcionalmente, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ao todo, 17,63% dos piauienses possuem uma ou mais deficiências. No Brasil, apenas a Paraíba e Rio Grande do Norte apresentam percentuais maiores: 18,76% e 17,64%, respectivamente. No Piauí é também onde está localizada a cidade com maior percentual de pessoas com deficiência de todo o país. Em São Gonçalo do Piauí, 33,3% da população possuem algum tipo de deficiência, destacando-se as visual e auditiva. Dos 224 municípios do estado, 85 possuem índice de deficiência superior a 20%. Se tomarmos uma atitude, o Piauí também pode ser o estado que mais oferece e respeita as leis de acessibilidade.

Não são apenas as estatísticas que devem chamar nossa atenção. O direito de ir e vir é de todos. A legislação exige que a acessibilidade seja respeita, sob pena de multas e perda de pontos na carteira de habilitação, no caso de motoristas que não respeitam a vaga prioritária para pessoas com deficiência em estacionamentos.

A população está cada vez mais atenta e menos tolerante ao desrespeito e a indiferença em relação aos direitos dos cidadãos. Pouca gente sabe, mas desde 2004, o Brasil tem leis (10.048 e 10.098) que dão prioridade de atendimento às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, além de estabelecer normas e critérios para a promoção da acessibilidade. Fiscalizar e fazer valer passaram a ser deveres de todos, pois qualquer pessoa pode ser denunciada por desrespeitar a lei.

O constrangimento não deve ser de quem possui algum tipo de deficiência, deve ser de quem não entende e respeita isso.

Mudar nossas atitudes é um grande e importante passo para um mundo mais inclusivo. 

O Instituto Dom Barreto apoia o Movimento Nacional de Respeito a Acessibilidade.  Hoje, o IDB tem 42 alunos na educação inclusiva, e ainda, 30 alunos, em média, que têm algum tipo de deficiência sem um diagnóstico específico. O fato dessas crianças e suas famílias não terem desistido da educação, apesar de morarem no Brasil e no Piauí onde a acessibilidade não é prioridade, é uma lição de vida.

Chegar até a escola ou a qualquer lugar não é tarefa fácil. Não é somente a falta de rampas da maioria dos lugares da cidade, é o desrespeito e a indiferença que beira o deboche, com a vaga prioritária para pessoas com deficiência. As desculpas são as mais tristes e desconcertantes: “é só um minutinho”, “tem mais de uma vaga”, “não havia outro lugar para estacionar”, “quando alguém precisar, é só buzinar”.

É apostando na mudança de hábito, a partir da informação e sensibilização que o IDB realiza a Campanha IDB de Acessibilidade. Paz e Bem no Trânsito.

Reportagens sobre o tema, ilustrações, concurso de cartazes, adesivos de carros em blitz educativas e de mobilização da comunidade dombarretana, são algumas das ações da campanha.  A Turma do Dom é uma das estratégias da campanha que homenageia a saudosa ex aluna Gabriela, com a personagem Gabi, cadeirante como era nossa querida Gabriela.

A Strans (Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito) também participa da campanha com fiscalização educativa. As famílias dos nossos alunos com algum tipo de deficiência e, em especial, os que precisam da vaga prioritária no estacionamento, participam da campanha contando suas experiências sobre acesso à escolar e outros lugares da cidade.  Além disso, o IDB, além da realização da campanha, renova e adéqua as regras de acessibilidade dentro da escola.

Nossos alunos com deficiências, suas famílias, o IDB, nosso portal e redes sociais e interatividade estão prontos para receber a sua adesão à campanha. O mundo precisa da nossa mudança de atitude para ser melhor e mais inclusivo. O mundo é um lugar de todos!

Paz e Bem!