Dia Nacional do Cerrado

AnW_MxIT-0CZMZzCVbHm1e7Zkv2vjg-oaqsawY1_kH_zHoje, 11 de setembro, é uma data nacional dedicada ao Cerrado. Apesar das inúmeras promessas de um modelo de desenvolvimento sustentável, essa região estratégica para o futuro do país, devido à manutenção de uma rica biodiversidade, tem sua vegetação nativa diariamente consumida, ora pelo desmatamento, ora pelas queimadas.

“O Cerrado é um dos biomas de maior biodiversidade do planeta e abrange vários estados brasileiros. Esse importante ecossistema apresenta uma paisagem natural constituída de campos, chapadas, arbustos e florestas, além de uma fauna bastante diversificada. Parecida com a savana africana, a vegetação de cerrado é constituída por uma formação predominantemente arbustiva, de raízes profundas, galhos retorcidos e casca grossa”, explica o professor e coordenador da disciplina de Geografia do Instituto Dom Barreto, Ricardo Carvalho.

O Cerrado também possui grandes reservas subterrâneas de água doce que abastecem as principais bacias hidrográficas do País como a Amazonas, Tocantins e Araguaia, São Francisco, Paraná e Paraguai. Sua riqueza hídrica tem um papel fundamental no abastecimento humano, na geração de energia e na produção agrícola.

Apesar da sua biodiversidade, do seu tamanho e importância, o cerrado é um dos biomas mais ameaçados do planeta atualmente. Dos mais de 2 milhões de km² de vegetação nativa, restam apenas 20% e a expansão da atividade agropecuária pressiona cada vez mais as áreas remanescentes. Essa situação faz com que a região seja considerada um ponto de acesso de biodiversidade e desperte especial atenção para a conservação dos seus recursos naturais.

“Nas últimas décadas, por conta da expansão da “fronteira agrícola” e da tradicional atividade pecuária, o cerrado vem se apresentando como um dos biomas mais ameaçados do nosso país. Apesar desse fato, em muitas áreas do cerrado estão sendo criadas unidades de conservação ambiental, como a estação ecológica de Uruçuí-Una, localizada no sul do estado do Piauí”, comenta professor Ricardo.

Infelizmente, os índices atuais de degradação não são animadores, e os planos de desenvolvimentistas são carentes de sustentabilidade ambiental. Isso faz com que o futuro não seja animador. Desejamos que a conscientização das pessoas que realizam os vastos incêndios e queimadas possa mudar. O Cerrado é um bioma que encanta, portanto, manter esse patrimônio inigualável é um dos nossos desafios.

Paz e Bem!