O Sal da Terra – 2015

20150925143053Retratando as profundas histórias registradas pelo fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, o documentário “O Sal da Terra”, tem direção conjunta do premiado diretor alemão Wim Wenders e do brasileiro Juliano Ribeiro Salgado, filho de Sebastião. Por tamanha profundidade e qualidade da obra, o documentário foi indicado ao Oscar 2015 e recebeu o prêmio do Júri, na seção Un Certain Regard, do Festival de Cannes 2014, além de também receber o César como melhor documentário.

No documentário, o próprio personagem, Sebastião Salgado, narra sua história em meio as suas fotos emblemáticas. Dessa maneira, somos teletransportados, através de cada imagem, para as lentes de um dos maiores fotógrafos do planeta. Ao longo dos últimos anos, Salgado viajou o mundo registrando dramas, emoções e apresentando para quem quisesse ver, muitos problemas ao redor da Terra. Por meio de fotos instigantes, somos testemunhas de um registro único de um ser humano muito especial.

A história de Sebastião Salgado começou em uma cidade do interior do Brasil chamada Aimorés, único irmão entre sete irmãs, Tião, como carinhosamente é mencionado várias vezes no filme pelo seu pai, mostra ao público como a fotografia é explicada como um alguém que escreve em luz. Antes de se tornar um dos mais famosos fotógrafos do mundo, Salgado graduou-se em economia. Engajado no movimento contra a ditadura militar no Brasil, a certo momento decide deixar o país, indo parar na França. Lá conheceu sua esposa, Lélia, além da paixão pela arte de escrever com luz e sombras. Ainda na década de 70, Salgado se profissionalizou e revolucionou o mundo da fotografia.

As lentes do fotógrafo tornaram-se especialistas em retratar uma cruel realidade humana em preto e branco, além de trágicos acontecimentos como massacres ocorridos em países na África. Essas imagens mostram a imensa sensibilidade de Salgado, que consegue capturar a emoção em cada fotografia.

Ao final, Sebastião Salgado se reinventa com o projeto “Gênesis”. Depois de pautar sua carreira retratando situações degradantes, marcadas por violência e miséria, ele traz uma proposta com um olhar mais positivo, registrando ecossistemas pouco explorados pelo homem em todo planeta. O documentário encerra com um suspiro de esperança. O instituto “Terra” criado para reflorestar a antiga fazenda da família, tornou-se um grande projeto ecológico onde mais de 2 milhões de árvores já foram semeadas.

Paz e Bem!