Berto Igor

berto imagemBerto Igor Caballero tem 29 anos, é professor da Universidade Federal do Piauí e advogado. Formou-se em Direito pela Universidade Federal do Piauí. No início do curso, abriu uma empresa com uns amigos, uma escolinha de reforço. Apesar do retorno positivo que estava tendo com o empreendimento, Berto teve de abrir mão para poder estagiar na área de Direito. Nesse período, o jovem estudante também trabalhou no setor de Recursos Humanos do DETRAN. Após receber a carteira da OAB, mudou-se para São Luís e trabalhou cinco meses em um escritório. Segundo Berto, apesar dos poucos cinco meses, a experiência de trabalhar em outra cidade foi enriquecedora.

Mestrado em Portugal

O advogado seguiu para Portugal, onde passou no mestrado em Direito Constitucional, na conceituada Universidade de Coimbra. “A ideia de fazer mestrado em Coimbra ganhou corpo, por dois motivos. Primeiro, pela a experiência de morar fora do país. Segundo, por ter a oportunidade de assistir aulas com o maior constitucionalista da atualidade: J.J Canotilho. Fiquei em Coimbra durante aproximadamente um ano, e aquilo definitivamente mudou minha vida”.

Ultima aula do curso com o professor Canotilho
Berto no último dia de aula com o professor Canotilho, no mestrado, Em Portugal.

Berto afirma ainda que o tempo que passou fora do país não foi fácil. “A experiência de ser brasileiro na Europa, o preconceito, e, principalmente, a falta de grana pra me sustentar. Meus pais não podiam me dar muito, então eu tinha que complementar a renda de alguma forma. Foi nessa que acabei trabalhando de Vendedor de Tv à Cabo, e até de DJ”.

Iniciando na docência 

De volta ao Brasil, em 2011, e após concluir o mestrado, Berto começou a dar aula em faculdade, com apenas 25 anos. “A primeira oportunidade me foi dada pela então diretora da FAETE, uma conhecida de longa data: professora Catarina, que havia me dado aula de Geografia no IDB. Vi que eu levava jeito para a coisa, e daí tive experiência em diversas outras faculdades, nas quais sempre fui muito bem tratado”, afirmou.

Três anos após iniciar a vida como professor nas faculdades da capital, Berto atingiu um sonho profissional, que há muito havia planejado. O jovem advogado foi empossado como professor efetivo da Universidade Federal do Piauí. “Dentre tantas congratulações, as que mais me marcaram foram as dos meus ex-colegas de turma, que diziam ‘Cara, tu sempre disse que ia ser professor da UFPI! Que massa!’. Ali eu havia realmente alcançado um objetivo na minha vida, e bem antes do que eu esperava”, explicou Berto.

Valores aprendidos no IDB

posse na ufpi
Dia da posse como professor na Universidade Federal do Piauí.

Berto ingressou no IDB aos 11 anos, para cursar o 5º Ano do Ensino Fundamental, em 1997.  A decisão de vir estudar na escola partiu do próprio Igor, que decidiu pedir aos pais que fosse matriculado na escola. “Hoje posso dizer que foi uma das melhores escolhas que fiz na vida, mesmo tendo na época apenas 11 anos. Digo também com toda a certeza desse mundo que só pude atingir esse, e vários outros objetivos, pelos valores que o IDB me ensinou”, afirmou o advogado.

O ambiente dombarretano lhe proporcionou tamanho conforto e segurança que em pouco tempo estava familiarizado. No IDB, Berto Igor construiu seu ciclo de amizade que mantém contato até hoje.  Nosso antigo aluno acrescenta que aprendeu à contragosto, com toda a rebeldia característica dos adolescentes. No entanto, entendeu que apenas com disciplina conseguiria conquistar seus ideais, e que a escola pode proporcionar à sua vida atividades extracurriculares fantásticas. “Hoje, se sou professor, falo em público, me comunico com grandes plateias, tive as primeiras aulas no colégio, durante as semanas culturais. Liderança, trabalho em equipe, organização, planejamento, divisão de tarefas e até controle orçamentário: aprendi tudo isso brincando de gincana no IDB. A brincadeira era tão séria que encarnei todas as funções que existiam: presidente, fiscal, líder de torcida, membro e antigo aluno”, explicou .

O advogado concluiu o Ensino Médio em dezembro de 2003. “Deixei o IDB, mas ele nunca me deixou por completo. Levo as memórias, as histórias – boas e ruins – o aprendizado, mas principalmente, os valores, que servem de combustível para encarar qualquer obstáculo. O segredo é, como nos ensinou o professor Marcílio, ‘sempre busque ser o melhor! Não melhor que os outros, mas o melhor de si”,  finalizou Berto Igor.

Paz e Bem!