Como nasceu a Feira de Ideias

IMG_0140 (1)A I Feira de Ideias do Instituto Dom Barreto acontece nesta sexta, 4 de setembro. Esse evento nasceu a partir da Feira do Conhecimento, do IDB, que era temática e não contemplava pesquisas e diagnósticos que apontassem soluções para Teresina. Foi neste sentido, que o professor de Química do IDB, Antônio Hilário Gomes, pensou na proposta de envolver mais os alunos para olhar a cidade de um modo diferente. A  ideia é despertar interesse a partir da percepção dos alunos, que são cidadãos da cidade.

Professor Hilário, homem inspirado a transformar nossa realidade, é formado em Licenciatura Plena em Ciências com Habilitação em Química, pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), com  especialização em Ensino de Química. Ele começou a trabalhar no IDB em 2000, e de 2006 a 2010 morou e foi professor em São Paulo, retornando ao Piauí em 2010, para voltar a trabalhar no Dom Barreto em 2011.

Para o professor, idealizador desse passo importante da Feira do Conhecimento, hoje Feira de Ideias, “a mostra de projetos é um compromisso do aluno em pensar na solução de um problema que ele já visualizou e vivenciou”, diz ele.  “Quem pauta a Feira de Ideias é o aluno. Já a Feira de Conhecimentos era a escola e foi uma fase importantíssima porque abordamos áreas como química, física, biologia e outras. Depois que a Feira se tornou temática, pautamos três Feiras de Conhecimentos: uma sobre o lixo, desde a Pré-História até a Era Espacial; outra sobre a água com todas as suas vertentes, e outra sobre o esporte. Mas eu vi que tínhamos que resolver os problemas daqui, mas para resolver o problema, é preciso ter ideias. Assim surgiu essa feira”.

DSC_6309
Professor Antônio Hilário Gomes.

Quando professor Hilário sugeriu a Feira de Ideias, o que lhe veio em mente foi a falta de empreendedorismo em Teresina. “Eu pensei que, como os alunos são mais novos e conhecem muitos lugares diferentes em Teresina, eles conhecem problemas e podem então sugerir soluções para esses problemas”, diz.

O maior desafio da primeira Feira foi fazer a Ideia se materializar, inspirar alunos a pensar uma cidade melhor, mais humana, solidária e sustentável. O que está sendo apresentado na Feira de Ideias, surpreende, portanto, o professor de Química. “Me surpreenderam, principalmente, alguns trabalhos da área de Humanas, pois os alunos  tiveram a sensibilidade e a coragem de abordar a questão da violência contra a mulher, contra animais, a homofobia, porque são temas muito delicados”, acrescenta o  Prof Hilário. Os projetos apresentados na Feira são inovadores, necessários e importantes, como o Projeto de Leitura para Idosos. “É emocionante ver e saber que os alunos pensaram na velhice, porque para a maioria das pessoas, crianças e idosos, simplesmente não existem”.

São quase 100 projetos que serão apresentados na I Feira de Ideias. Os trabalhos contemplam segmentos, públicos variados e temáticas também variadas: crianças, jovens, idosos, mobilidade urbana, energias renováveis, sustentabilidade, esporte, áreas urbanas, cidadania e transportes coletivos, que beneficiam grandes camadas da população. Para professor Hilário, “a feira, realmente, vai ter uma química, como diz a gíria, com as pessoas que vierem conhecer os projetos.

Um pouco mais sobre Antônio Hilário Gomes

Um homem visionário, que fala com convicção. Inspirador e cheio de novas percepções sobre as cidades e os cidadãos. O seu desejo é mobilizar o mundo em torno das boas causas coletivas porque o professor Hilário Gomes acredita no poder da transformação da realidade, mesmo quando isso parece impossível. Tanta energia positiva nasceu de uma trajetória louvável. Ele nasceu em São Roque, atual município de Croatá, no Ceará. Aos 7 anos foi para Santa Inês, no Maranhão e, aos doze anos, veio para Teresina. Só aqui, na capital do Piauí, professor Hilário aprendeu a ler e escrever, aos 12 anos de idade.  Em treze anos e meio de vida cursou ensino fundamental, médio, graduação e pós-graduação, ele sempre teve pressa.

O projeto da Feira de Ideias não foi o seu primeiro projeto. De acordo com o coordenador da disciplina de Química do IDB, Antônio Mendes, o professor Hilário “é autor de um projeto voltado para o desenvolvimento das aulas de laboratório e, desse projeto, resultou o lançamento de dois livros de aulas de laboratório: um destinado às aulas de laboratório para o 9º ano do Ensino Fundamental e o outro para a 1ª série do Ensino Médio. Ele participou, também, da organização da primeira Semana de Química sediada no IDB em 2005”.

Para o professor de química a fórmula perfeita é a do Amor e essa, segundo ele, cada um constrói a sua.

Paz e Bem!