Instituto Dom Barreto adota técnicas de atenção plena

O Instituto Dom Barreto, uma das dez melhores escolas do Brasil, através da Escola Atenção Plena, está adotando técnicas de atenção plena para melhorar a qualidade da presença em sala de aula, e bem estar de seus professores e alunos no ensino fundamental.

    Os integrantes da 1ª Turma do Curso Atenção Plena para Educadores, receberam certificados de conclusão do curso, em solenidade realizada no colégio, na manhã de sábado. Após o término do treinamento da Escola Atenção Plena, os educadores estão aptos a iniciar o projeto de implantação com os alunos em salas de aula. 

   
Segundo Daniel Guimarães, mentor da EAP, “A atenção plena tem dois pilares básicos,  o primeiro é de ajudar na concentração e segundo de servir como ferramenta para o empoderamento emocional.  O déficit de atenção é hoje um dos maiores problemas nas escolas, dada tamanha velocidade e avanços da tecnologia. O treino do foco ajuda as crianças no desenvolvimento de qualquer atividade, pois a concentração é a espinha dorsal da inteligência.  No quesito da  inteligência emocional, as crianças desenvolvem a capacidade de estar presentes e conscientes de seus pensamentos e emoções”.

    O curso de Atenção Plena para Educadores formou os professores para que apliquem e orientem as crianças em sala de aula.  De acordo com Daniel Guimarães, o trabalho da Escola Atenção Plena começou na Escola Municipal Casa Meio Norte, mas para desenvolvê-lo teve que fazer um treinamento do Instituto Americano de Mindfulness para Educadores, pois havia a necessidade da aplicação de uma pedagogia com as crianças. Além disso, permaneceu o período de dois anos entre Nepal e Índia estudando e praticando sobre o tema.  “Mindfulness (atenção plena) é uma prática milenar e estudada há mais de 40 anos nos Estados Unidos;  no ocidente começou primeiro na área da saúde e agora chegou na área da educação”, falou Guimarães. 

    Professor de Ensino Religioso do Instituto Dom Barreto, Waldo Ferreira, disse que o curso prepara os professores para ter atenção plena no momento presente. “Na atribulação do dia a dia podemos ficar fixados no passado, remoendo aquilo que a gente viveu, ou então, preocupados com o futuro que ainda não aconteceu, mas não no presente. Esse curso vem ajudar a gente a despertar para viver o momento presente com intensidade, buscando ser feliz, aqui e agora”, declarou Waldo Ferreira. O professor relata que a atenção plena pode ser aplicada na educação permitindo que os alunos fiquem mais atentos, concentrados em seus estudos, nas aulas e avaliações.  

     “O curso contribui para que o aluno seja treinado, capacitado para estar no momento presente com a atenção plena”, explicou a psicóloga Viviane Fernandes Faria, coordenadora de Educação Inclusiva do Instituto Dom Barreto. Para ela o curso Atenção Plena proporciona a escola uma nova tendência de buscar outras práticas pedagógicas no dia a dia das crianças, trabalhando não apenas os conteúdos, mas também as habilidades socioemocionais, o conhecimento de si e do outro. “Esse curso tem sido muito bom não só para que possamos aplicar em sala de aula, mas também para o crescimento pessoal de cada professor” disse Viviane. Muitos professores relataram que aplicaram inicialmente nas salas de aulas os exercícios e práticas de atenção plena e os alunos já cobram a prática, mesmo os estudantes eram mais inquietos e dispersos. 

    A professora de Música do IDB, Gislene Danielle, falou que como trabalha com música, usa as práticas de atenção plena em 4 turmas ao mesmo tempo e o curso ajudou muito a sua forma de olhar os alunos e ajudá-los a se concentrarem na aula. “Foi de grande utilidade e foi muito importante para minha vida. Me ajudou na forma de vivenciar as coisas do dia a dia e a lidar com estresse. Praticar atenção plena faz um bem enorme e traz um bem-estar imenso”, ensinou Gislene Danielle. 

    A professora de polivalência Márcia Rejane Melo Damasceno percebe que o treinamento em atenção plena deixa os estudantes mais concentrados, mais presentes na sala de aula e com interesse em fazer as atividades educativas. “A gente já percebe a mudança na forma de sentar dos alunos com os corpos eretos  e equilibrados. Eu tenho observado os alunos com real presença nas salas de aula. comenta a professora. Ela explica que os alunos já fazem exercícios de respiração, postura, olhar e ouvir atento.

Por: Efrém Ribeiro